A LONGA CAMINHADA (Não Necessariamente Para o Oeste)

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Alícia



Tem horas que tenho vontade de só falar coisas boas por aqui... porém desta vez, não vai ser bem assim. Com muito pesar que faço esta postagem sobre uma triste fatalidade: A minha gatinha, essa da foto ao lado, veio a falecer. O nome dela é Alícia.

Veio na primeira leva de bichaninhos que a minha gata Flora teve em 2008. Naquela época eu estava me recuperando da perda de Chumbinho e Baltazar, que por sugestão da minha mãe, fui atrás de outro gato no inicio daquele ano. Mas desta vez foi uma gata, que só percebi quando já tinha chegado em casa. Depois arranjei outro gato que chamei de Knut (homenagem ao urso alemão, morto recentemente) para fazer companhia a gata solitária.


Só que essa solidão fez com que 2 gatos virasse 7, pois Flora teve logo de primeira 3 gatos e 2 gatas, sendo Alícia uma delas. De todos ela era a mais habilidosa, pois mesmo com poucos dias de vida, já pulava e escalava os objetos. Foi a 1ª a escapar do "cativeiro" que a gente fez para os filhotes felinos recém-nascidos (para proteger da cachorra que também temos), o que me fez inicialmente a chamar de "a ninja". Mas depois descobrir que ela era mesmo de verdade uma baita de fominha, só pensava em comer e o único momento que miava.

Uma gata com personalidade própria, Alícia nunca foi de agarrados mesmo sendo muito meiga. Gostava de carinho, porém só do jeito dela. Uma fêmea independente como muitas que existe da minha espécie. Gostava de ficar em casa ou de vez em quando em cima dos muros, deslumbrando o mundo exterior. Atualmente tava dormindo sempre na escada da minha casa, onde a gente tinha que tomar cuidado para quando passar não pisar em cima dela.


Alícia nunca foi a minha gata preferida, mas mesmo assim eu gostava dela. Só que por não ser minha favorita, acabei não dando a devida atenção que ela merecia. Hoje isso bati um arrependimento, porém sua partida me ensina como lição de vida: Nunca deixe de demonstrar carinho para quem você gosta pra depois, pode ser que não tenha outra oportunidade...

Com os meus gatos anteriores sempre lamentava por não ter feitos fotos e vídeos, lembrando deles apenas através da minha memória. Então decidi que assim que tivesse como fazer isso, os próximos seriam todos registrados por mim para uma recordação mais feliz.

E com essa geração tive muito êxito, porque o que tem de vídeos e fotos deles de minha autoria na internet não está no gibi. Infelizmente, dos vários vídeos que eu fiz dos meus gatos, só existe esse em que Alícia aparece... e mesmo assim ela não é o destaque principal, pois na hora estava mais concentrado em filmar a mãe, grávida da sua 2ª leva de bichanos.


Hoje tivemos que deparar com esta perda tão repentina, que ninguém estava esperando. Afinal, ela estava tão bem pela manhã... até agora não sabemos qual foi o real motivo que fez a coitada da pobre gatinha desfalecer. Entretanto como ela vomitou e obrou, é bem possível que tenha sido envenenado. Só que o problema é saber que tipo de veneno foi: Algum bicho peçonhento ou apenas maldade humana (que infelizmente ainda existe).

Enfim, espero que esteja num lugar bem melhor do que este mundo de misérias.

domingo, 24 de abril de 2011

Denise Milani


Hum... que tal mais uma super dotada? Pois então falarei de Denise Milani.

Ela nasceu em Frýdek-Místek na Tchelováquia, mesma terra que Jana Defi. Foi para os Estados Unidos aos 21 anos de idade, onde teve aulas de inglês e mais tarde se tornou fisioterapeuta. Em 2005 ela foi descoberta pela Sport by Brooks (um site gringo de esportes e mulheres de seios fartos), tendo grande sucesso.

Denise tem uma carinha de anjo em um tremendo corpão, principalmente por causa do seus seios fartos... uau! He, he, he... pena que são falsos (não acredito que são verdadeiros nem aqui nem na peitolândia). Tudo bem, foram tão bem colocados que não dá para negar a sua beleza. Fui ver seus vídeos no YouTube ano passado, quase tive um ataque de tanto ver ela fazendo ginástica.

Não posse me esquecer de dizer que ela nunca mostra o corpo, só faz pose sexys, o que deixa seus fãs muito p... da vida!! Ou seja, o máximo que faz é usar um tremendo decotão valorizando a sua comissão de frente. Enfim, uma bela exemplar de garotas de seios grandes... que tanto eu como outros amantes de mulheres com mamas avantajadas sempre iremos admirar...

sábado, 23 de abril de 2011

Mariana Fusco



Sabe quando a gente fica concentrado em fazer uma tarefa e sem querer uma coisa chama atenção? Pois bem, estava eu aqui atualizando o meu blog quando inventei de ver essas notícias bestas que aparecem nesses sites banais. E numa dessas notícias, aparecia uma bela garota ao lado de um "pseudocantor de pop rock brega", que já foi seu namorado, mas agora só é seu ex.

Nunca ouvir falar e muitos menos sabia que ela existia (tá, essa segunda afirmação é a redundacia da primeira), só que por achar muito semelhante com uma cantora que eu gosto muito (Anahí) resolvi pesquisar um pouco mais. E aí dei de cara com essa imagem ao lado, uma tremenda visão do paraíso. Quando vi não acreditei: Que avião!!! Seu nome é Mariana Fusco.

Ela parece uma mistura de Anahí com Ellen Rocche: É só ver pelo rosto e as curvas para ver se não estou falando a verdade. Ou então, é uma versão bastante melhorada da atriz mexicana, he, he... não sei se atua, mas ela seria uma perfeita candidata para viver a personagem de Any na versão brasileira de Rebelde, isso faria os fãs xiitas estilhar ainda mais ou então, desencadear uma série de enfarto coletivo. De acordo com a fofocagem que existe na internet, Mariana aparece no filme Tropa de Elite 2, ou seja, se já gostava deste filme por ser muito bom para querer ver de novo, agora que eu vou ver mesmo, he, he...

Independente da forma como eu a conheci, já valeu a pena em saber que existe uma gostosura tão deliciosa como essa garota, uma nota 10 por quesito "deixar todos os marmanjões babando", eu mesmo babei!!! E pensar que o "pseudocantor de pop rock brega" deixou ela escapar...

Eu já achava isso antes e agora tenho certeza: É um mala mesmo.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Rio


Ontem aproveitei o feriado para ir ao cinema assistir um filme, porém o que eu queria ver parece que já saiu de cartaz. Uma pena, pois queria muito assistir... então, para não perder a viagem, resolvi antecipar outro que já estava na minha lista: Rio.

Este, que é uma animação, estava muito ansioso para ver para saber como seria a visão do Brasil de um desenho americano, dirigido por um brasileiro. Tirando aparição clichê da música mais chata de todas (nem vou falar, porque quem for ver saberá qual é...) e de Brasil só pensar em Carnaval (claro que não, também pensa em futebol...), achei a descrição muito fiel do que se conhece, pelos menos de fotos do Rio.

Particularmente gostei porque nele trata de um assunto que os brasileiros são um pouco omissos e os estrangeiros não gostam de comentar: O tráfico de animais silvestres. Pois é assim que o protagonista da história, uma arara azul, vai para outro país. Chegando lá, acidentalmente cai do caminhão onde esta em cárcere, sendo encontrado pela menina ruiva de óculos, seu nome é Linda. Ela prometeu cuidar da ave, dando o nome de Blu.

Lá se vão 15 anos até que aparece um cientista de aves que veio do Brasil com missão de convencer Linda de levar sua ave para lá, pois se trata de um animal em extinção e a única esperança seria levar Blu para se acasalar com uma fêmea da mesma espécie. E aí que começa a confusão do filme, pois como Blu foi levando muito cedo de sua terra natal, ele acabou não aprendendo a voar. Porém graças a novos amigos que ele faz na cidade maravilhosa, isso irar mudar, he, he... muitos lugares no Rio de Janeiro são mostrados visando as belezas, sem aquela coisa já depreciativa que vemos até demais nos filmes brasileiros e principalmente nos americanos.



O interessante desta película é que na história demonstra que todo mundo tem habilidades que são importantes, mesmos que aquelas que normalmente deveria saber, não sabemos. Como por exemplo no caso de Blu: Não sabendo voar, porém é perito em andar, escalar objetos e abrir-los também. Carlos Saldanha, o tal brasileiro mencionando, está de parabéns. Ele foi o diretor da Era do Gelo 2 e 3, além de ser co-diretor do primeiro filme.

Vendo seu último trabalho, faz sonhar um dia com a minha animação!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Túlasi



No dia de Tiradentes é também o aniversário de uma amiga que eu gosto muito: Túlasi. Ela uma amiga Devota, ou seja, que conheci em 2005 no Movimento para Consciência de Krishna... que desde esse tempo eu frequento. E ela é uma Vaisnava (conhecido pelo vulgo "Hare Krishna").

Garota alto astral de sorriso encantador e de formas bem fartas, que não foi difícil chamar a minha atenção. Nos momentos de meditação no templo tentei não olhar para ela, mas acabava traido pela minha visão, que sempre queria admirar sua formosura. Fazer o quê se ela tem seios fartos e eu gosto muito.

Pois é... sou direto mesmo e isso as vezes me incomoda e principalmente os outros. Quantos vezes vi meus comentários delatados nas fotos do ORKUT das minhas amigas por citar suas belas comissões de frentes? Com certeza muitas... e com Túlasi não foi diferente. Entretanto gosto de verdade dela e tenho como uma das minhas amigas mais queridas... pois é muito simpática, prestativa e companheira. Sinto muito sua falta e quero que tudo de bom aconteça em sua vida. Parabéns pelo seu dia e que Krishna Te abençoe!

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Rua Nossa Senhora do Loreto



Bem... como já disse em postagens anteriores, estamos em época de chuva no Grande Recife, hoje então parece que o céu vai desabar. Só que eu não tenho nada contra com as chuvas e até gosto deste clima frio. O problema é as consequências que região metropolitana recebe com elas, por incompetência dos governantes, não tem um saneamento básico decente fazendo que alague tudo nesse período... e a minha rua é uma dessas vítimas.

Essa foto ao lado foi do ano passado, quando tentaram resolver esse problema fazendo umas canaletas para baixar as águas. Só que apenas resolvia o problema de quem mora perto da avenida, pois no lugar onde moro é muito baixo e fica acumulando poças d'águas, formando ilhas.

Eu não entendo essas prefeituras: Sabe que todo ano tem inverno (que no caso da gente é muita chuva) e fica enrolando, enrolando no verão em vez de resolver os problemas. Aí quando chega os piores momentos, fica fazendo os paliativos ridículos. Para dizer a verdade, eu até entendo: O lance é não resolver o problema para que quando for época de eleições, ter o que prometer o que vai melhorar. Agora a culpa mesmo é dos eleitores que não cobra de seus governantes e só faz reclamar, ou então não procura saber do passado de seus candidatos para saber se ele é competente e honesto. Isso cabe a mim também pois mesmo sendo bem crítico, não sou um exemplo de eleitor. Entretanto eu não tenho nojo da política, como muitos da nossa sociedade brasileira diz e inclusive gente de grande impotância estufa o peito para isso (acho que eles nunca ouviram falar Bretch).



Agora no Outono (que é praticamente Inverno 1) querem começar de novo com esses paliativos, correndo o risco da minha casa ficar mais ilhada do que já tá. Se depender da "Dona Encrenca" isso não vai acontecer. Pois é, o jeito "barraqueira" dela serviu para alguma coisa, he, he, he...

terça-feira, 19 de abril de 2011

Seven



Nesta Segunda Feira de chuva, resolvi aproveitar o momento em que a tevê estava desligada (milagre) para ver este filme que a um certo tempo adquirir, porém não tive oportunidade de ver: Seven - Os Sete Crimes Capitais.

Ele não chega a ser muito velho, mas recente também não é (ele é de 1995). É do tempo em que existia filmes 1oo% reais, que não abusava de computação gráfica e esfeito especiais (tá, eu sei que tipos assim ainda existe, porém hoje se dá para contar nos dedos quais são), visando mais uma boa história e um bom enredo para a mesma desenrolasse.

O filme conta a história de 2 detetives que investigam estranhos assassinados numa cidade problemática. Esses crimes aparentam ser feito por um piscopata que tem ligação com os 7 pecados capitais. Ao desenrolar da trama, conhecemos um pouco dos personagens como o detetive Somerset, que está preste a aponsentar; e detetive Wills, um jovem que passou 5 anos na homicídios que junto com sua mulher Tracy, se mudaram para essa cidade.

Muitos assuntos são abordados pelos 2 protagonistas, em questiona um mundo, os valores e os laços dos seres humanos. Fiquei interassado, pois quando eu era mais novo, esses temas passava meio que despercibido por mim, talvez pela mente juvenil ainda muito imatura. Hoje consigo toda complexidade da mente humana que aparece neste filme. Vejo que muitos problemas, idagações e crises que a sociedade atual está passando, esses vestígios já mostrava sinais já nos anos 90. O suspense corre no decorrer das pistas e assassinatos... até que chega o grande climax que não irei contar para não estragar a surpresa de quem não viu.


Comi muita pipoca até não aguentar mais e tomei suco também. Os anos passam e continuam muito bom (só não gostei da dublagem, que não é a mesma que passa na tevê, porém com o tempo se acostuma...), ou seja, também existem filmes americanos que prestam e Seven é um deles. Para nova geração que era bebê ou nem nascido na época, recomendo essa boa película, pois com certeza irão gostar.

sábado, 16 de abril de 2011

Uma Nova Fase



Uma nova fase de fato está parecendo para mim e por tabela para esse mísero blog, que nasceu de forma inusitada de falar besteiras, depois começou a ir ao ramo do sentimentalismo e por fim virou catálogo de filmes e peitudas. Acho que está mais que na hora dele entrar numa fase muito mais ampla e consistente.

Muitas coisas aconteceram, muitas perdas minhas e de meus amigos tiveram durante esse período... mas também ganhos como de tudo que jamais pensaria que teria jeito e agora vem com força total. A vida é assim mesmo... e como eu vi certa vez numa tirinha de um amigo meu, quem pensa que parando as coisas vão melhorar, está muito mais que enganado. E é isso que vou fazer, deixar de me queixar como fiz muito por aqui e ir para luta... viver e conviver.

Hoje, depois de muito tempo com chuvas, temos um dia de sol. Da mesma forma que nossa estrela mais importante se mostrou, é hora de eu fazer o mesmo depois de meses de escuridão. Essa parada foi realmente importante para tentar me entender e também os outros. Diferente do que muitos pensam, não culpo os demais pela minha infelicidade e sim a mim mesmo. O que posso questionar é o hábito que muitos tem de julgar antes de tentar entender... só que até isso hoje não me importa mais.

Muitos podem não acreditar, mas hoje não tenho inimigos: Percebi que a vida é complicada demais para a gente se preocupar com isso... ou melhor, a gente que complica, pois a vida por si só é muito simples... e até demais!!! Só os tolos é que não ver. Isso não quer dizer que a gente deve gostar de todo mundo, longe disso. O que quero dizer que devemos aprender a conviver... e se não conseguir aceitar, que pelo menos respeite a diferença das outras pessoas. Com certeza devo ter indivíduos que me considera como inimigo ou desafeto... só que aí é outra história, pois não posso obrigar os outros a gostarem de mim e também isso é problemas delas, eu não tenho nada ver. Afinal, quem teima em ter inimigos são pessoas mal resolvidas consigo e com a sociedade.

Devemos pregar uma vida pacífica onde podemos resolver tudo a base do entendimento, pois do jeito que o mundo se encontra, futuramente teremos uma grande crise existencial coletiva surgindo.


Aprendemos com os gatos, que tem a vida muito mais curta que a nossa, mas não se lamenta do passado e muito menos se preocupa com o futuro. Para eles o agora que importa... pois é onde que ganhamos o presente.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Sucker Punch



Bem... demorei a falar deste filme, mas finalmente eu falo agora. Depois de ver boas histórias em quadrinhos transformada em película com maestria pelo diretor Zack Snyder, finalmente agora ele lança um trabalho totalmente original e de sua autoria. Não vou estragar contando o que se passa na película, mas posso dizer um pouco do que se trata: É a história de uma garotinha que se refugia não sua mente para tentar resolver os seus problemas, como no sanatório em que foi internado a mando de seu padrasto, que interessado na sua herança, quer que seja lobotomizada por saber demais sobre a morte de sua mãe e o motivo que fez sem querer matar a própria irmã. Mas como enfrenta esta futura lobotomia e o próprio cenário onde se encontra é vista de forma diferente pela protagonista, que manipula a realidade para assim tentar sobreviver.

Zack pegou muitos elementos (mundos, dragões, guerras, mulheres) de vários segmentos e juntou tudo, criando assim este maravilhoso filme. Com isto, começo acreditar que realmente existe o inconsciente coletivo, pois muitas ideias que aparecem nesse filme, já tinha pensando a mais de 15 anos. Só que é aquela história: A gente, além de pouco recursos, acaba não tendo fé em si mesmo e deixa a ideia passar... e ela acaba encontrando alguém que possa se fazer realizar. Só que isso pouco importa agora, afinal ninguém vai acreditar nisso mesmo.

Se depois de Watchmen (um filme que foi baseado numa clássica história em quadrinhos dos anos 80) já achei o cara estupendo, agora com este filme novo virei fã declarado. Mas isso não é uma unanimidade, pois vendo em muitos sites na Internet, percebi que Sucker é do tipo de filme que ou você adora ou você odeia... Não tem meio termo. Vi muita gente falando bem a respeito, achando demais os efeitos, a fotografia, a música... Porém vi também muitos falando mal por não ter história, muito vazio e sem objetivo. Particularmente eu gostei... e muito! Acredito que entendi qual é a mensagem que o filme quis passar, diferente de muitos que esperavam outra coisa, o que fez que odiassem a película. Espero ansioso pelo lançamento em DVD, que com certeza irei comprar.

O próximo e talvez maior desafio para Zack será fazer uma nova versão do homem que usa a cueca por cima da calça: Superman. Se consegui fazer com esse tema amaldiçoado um filme realmente decente, então ele já pode ter uma estrelinha na calçada da Fama, pois vai merecer...

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Gears



Sabe... passando nos shoppings da vida, percebo que são poucas as coisas que me atraem nele como antigamente. Hoje só me interesso pelos cinemas, a parte eletrônica e ironicamente roupas. Entretanto, quando passo perto das lojas de brinquedos, lembro bem vagamente... que também gostava e muito de ficar nesse tipo de estabelecimento quando moleque.

Hoje muitos brinquedos que eu sonhava ter agora estão mais fáceis de achar, chegando mais rápido ao Brasil, o oposto do que era a 20 anos atrás. E um desses brinquedos que sempre sonhei, porém nunca teve uma coleção decente por aqui, foram os Transformers. Esses brinquedos de robôs era difícil de achar. Eu mesmo só tive 2: Um que perdi e esse desta foto, que por sinal perdeu a perna.

A história deste robô é um pouco curiosa: Ele originalmente não era meu, era de um antigo amigo de meu irmão. Ele deu para mim em troca de uma revista em quadrinhos dos Transformers que eu tinha. Nela contava com a participação do Homem Aranha com a estreante roupa preta (novidade na época) e que contragenava com o próprio robô que troquei. Hoje fico refletindo se o que fiz foi um bom negócio, se a revista tivesse comigo agora teria um valor muito maior que o robozinho perneta que tenho.

Pode ser que valesse, mas quando é criança, um brinquedo valia mais...

Old Boy



Eu tava pensando em falar sobre este filme, mas não achava o melhor momento. Aí... como deu a vontade de ver-lo de novo (eu tenho em casa) e não estou num dos meus melhores momentos, resolvi aproveitar para falar um pouco dele agora.

Eu tive muita vontade de ver este filme no cinema, porém não sei por qual motivo, isso não aconteceu. Então quando tive oportunidade, comprei o DVD, que para a minha felicidade encontrei uma versão especial com 2 discos. Muito bom, pois tem entrevistas, conversa com diretor, etc... quem gosta muito do filme vale a pena ter esta versão.

Bem... não vou falar muito do filme para não estragar a surpresa de quem não viu, pois eu posso garantir que quem ver-lo sem olhar para Spoilers na internet vai surpreender, principalmente no final, onde você sentirá misto de pena e raiva do que acontece ao protagonista (o cara da foto). Ele se chama Oh Dae-su, homem de meia-idade beberrão que inexplicavemente é sequestrado, ficando preso por 15 anos até que da mesma forma é solto. Agora só tem 5 dias para descobrir tudo e se vingar de quem fez isso com ele. Um filme não aconselhável para os sensíveis de coração, sei disso por experiência própria, he, he, he... estou brincando, vale a pena ver.

Curiosidade: Este filme foi baseado numa história em quadrinhos japonesa, que por sinal seria também a inspiração para o projeto de uma versão americana, mas que acabou sendo cancelada.

terça-feira, 12 de abril de 2011

50 anos do Primeiro Homem no Espaço



Hoje é uma data especial, afinal são 50 anos que faz que pela 1ª vez, o homem vai ao espaço pelo seus próprios meios. E este homem é esse da foto ao lado, seu nome: Yuri Gagarin. A 1ª vez que ouvir falar deste nome foi quando estava numa aula de história do ensino fundamental (não me lembro a série) em menciona o seu feito que até aquele momento fiquei admirado por não ser um americano, isso porque naquele tempo eu mais um que acha os Estados Unidos uma maravilha...

Numa época em que a paz (?) na Terra vivia em constante ameaça, as 2 grandes super potências ( Estados Unidos e União Sovietica) rivalizavam querendo sempre uma mostrar para outra qual era a melhor, o que deu o impulso ao homem buscar novas conquistas... ou fingir que conquistou. Entretanto, diferente da picaretagem americana da ida do homem a Lua, os Rússos realmente conseguiram depois de experiências com o Sputinik e animais irracionais (coitada da Laica...), manda um homem ao espaço.

De origem humilde, Gagarin nasceu em Kluchino na Rússia e era filho de camponês. Quando jovem, se interessou pelo espaço e planetas, sonhando quem sabe um dia visita-los. Começou a trabalhar com estágiario em uma metalurgia, no mesmo tempo que se juntou ao um Aereo Club, onde aprendeu a pilotar aviões leves. Após terminar sua formação técnica, ele se ingressou no treinamento de voo militar na Escola de Pilotos de Orenburg. Formado, foi enviado a base área de Luostari. Onde os voos são arriscado devido aos maus tempos. Se tornou Tenente pela Força Aérea Russa e posteriomente Tenente Sênior.

Em 1960, foi selecionado para participar no Programa Espacial Soviético, onde Yuri foi escolhido entre 20 candidatos por causa de sua baixa estatura (ele tinha 1m57) para este feito. Isso porque a sua nave, a Vostok, era muito pequena. Gagarin no mesmo 12 de Abril deu a volta ao redor do planeta e proferiu as célebres frases: "A Terra é azul" e "Olhei para todos os lados, mas não vi Deus", esta última uma frase típica para irritar os teístas. Logo após a sua volta, o piloto virou uma espécie de celebridade, viajando em todo mundo para promover a tecnologia russa e ele não assimilou muito bem esta fama repentina, prejudicando até um pouco sua vida pessoal. Com o tempo, Yuri voltou a ser piloto de caça no resto de sua curta vida (ele morreu vítima de um acidente aereo em 1968, aos 34 anos).



Dos poucos heróis que a "Mãe Rússia" tinha na época que fázia juntos com os outros países a Federação Sovietica, ele é o único que não perdeu o encanto com o tempo. Enfim, essa postagem faço em homenagem a essa grande data e principalmente ao VERDADEIRO herói espacial Yuri Gararin e seu grande feito.

domingo, 10 de abril de 2011

Ramachandra



Neste Sábado último teve uma chuva muito forte e eu acabei ficando em casa. Só que tinha uma Festa na casa de meu amigo e eu estava com muita vontade de ir, mas enfim... não deu. E nesta festa era para celebrar o Aparecimento de Senhor Rama, que de acordo com o Movimento Hare Krishna, é uma das formas de Deus.

Rama, também conhecido com Ramachandra, apareceu neste mundo a milhares de anos atrás e a sua história é contada no grande épico Ramanaya.

Nesta saga conta como um infortúnio caiu-se sobre seu destino, onde junto com sua esposa Sati e seu irmão mais novo Laksmana, teve de ficar exilado por 14 anos do seu reino. Também como a sua amada foi sequestrada e Ele que recuperar-la das garras de um Grande Demônio que a desejava.

No ano passado eu tinha ido para essa festa, onde foi na casa desse mesmo amigo, só que a antiga (hoje ele está morando em outro local). Foi muito legal e é pena que não deu para ir desta vez... tudo bem, no próximo ano vou. De qualquer forma, para celebrar essa data especial, aqui o vídeo que eu fiz naquela ocasião.

Todas as Glórias ao Senhor Ramachandra!!!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Merilyn Sakova



Como não posso deixar de fazer aqui no blog, falo mais uma vez de uma bela garota com padrões estéticos que eu gosto. E essa aqui é muito especial, atrás apenas de Maria Swan, Ewa Sonnet e Kerry Marie.

Na época que procurava em sites de garotas com esse biotipo, aparecia uma janela pequena pulando (não sei o termo que dão para isso...) que incomodava e eu não cansava de fechar. Só que certa vez que numa dessas janelinhas, apareceu uma garota muito branca com uma tremenda comissão de frente... não resistei a tentação e acabei clicando: Era o site de Merilyn Sakova.

Nascida em Dnipropetrovsk na Ucrânia com o nome de Anna Zhilenkova, ela começou uma carreira de nudelo em 2004, aparecendo em vários sites com nomes diferentes (não sei se estava indecisa ao seu nome artístico ou se sofria uma grave crise de mútlipas personalidades) até ficar mais conhecida apenas como Merilyn.

Em um desses sites era anunciada como a "descoberta da década", afinal chega ser um choque vê uma garota magra exibindo aquilo tudo na frente da tela. Tanto que já cheguei até duvidar de sua naturalidade, porém vi em muitos sites mais ou menos confiáveis que são de fato naturais. Então, agradeço a Deus por nos presentear com tanta perfeição numa garota só. Fico imaginando encontrar uma dessas na minha universidade...

Enfim, hoje é o seu aniversário... por isso, parabéns Merilyn!!

domingo, 3 de abril de 2011

Marques



Esse aqui é velho chapa, amigos das antigas... dos bons tempos do Santos Dumont, Colégio do 2º grau no qual eu estudava. A gente se conheceu em 1996, num grupo de um velho amigo meu que não tenho notícias mais. Ele era o mais calado desta turma e o povo tirava onda com a cara, mas só de zona. Depois em 1998, encontrei com ele mais uma vez e foi aí que começou uma grande amizade, daquelas que quando menos espera vira uma das mais especiais.

Lembro com carinho daquele tempo, época do auge dos Arcades, onde eu, ele e mais alguns amigos faltava as aulas para ir jogar King of Fighters e derivados até não poder mais, he, he, he... como a gente sofreu na mão de um tal de "Goiabinha" que sempre entrava intencionalmente no meio da luta para ver se derrubava a gente... ô cara chato!! Hi, hi, hi... momentos clássicos da minha adolescência. Em 1999 eu me formei e ele continuou estudando por lá.

Nesse período, a última vez que o vi foi no ano 2000, quando eu estava com a minha irmã numa casa de um Díacomo da igreja que ela participava. Estava eu a toa numa festa cristã quando de repente ele aparece do lado de fora do muro e me reconhece por lá. Aproveitei o momento e pedi para ir na sua casa dele que a tempos queria ir e só fazía enrolar. Depois disso perdi contato, a única coisa que soube foi que tinha agora uma filha, essa que da foto.

Até que, em 2008, finalmente a gente se reencontrou com mais outros amigos que juntos somos o grupo dos Bad Bostas, he, he, he... galera que gosta de desenhar, ver desenho animado e falar um monte de porcaria. Foi muito legal aquele dia que para mim foi um dos melhores, pois além de ver grandes amigos, logo depois fui para o casamento da minha professorinha de Literatura Tia Eva. São momentos assim que faz lembrar que não sou um lobo totalmente solitário como os outros pensam e as vezes até eu.

Viva a nossa longa amizade que é dos tempos dos fiperamas!!

sábado, 2 de abril de 2011

DA: Passado, Presente e Futuro



Visto que ultimamente eu recebi duras críticas pelas coisas que escrevo por aqui, principalmente no episódio da Enearte, resolvi fazer uma análise sobre gestões dos Diretórios Acadêmicos que o meu curso de Artes Plásticas teve. Tentarei ser o mais imparcial possível (se bem que não acredito que existia alguém 100% imparcial).

Bem, quem conhece a Universidade Federal de Pernambuco sabe que ela tem peso no seu nome, considerada uma das melhores do país. Entretanto, como quase tudo que existe no Brasil, existe uma desigualdade gritantes nos centros acadêmicos, onde alguns tem ensino com qualidade de 1º mundo e outros são muito precários de uma tristeza sem tamanho. O meu se chama Centro de Artes e Comunicação ou simplesmente CAC, que faze junto com 2 outros a... digamos... a parte pobre da nossa universidade. E se existe um curso considerado o pior dos piores ou pelo menos tenta ser o pior, ele é o meu curso de artes.

É tão mal falado que nem mesmo alguns alunos do próprio dá o seu devido valor. Mesmo sabendo que ele não é considerado assim tão importante para instituição, eu decidi fazer assim mesmo porque gosto muito de desenhar e sempre apreciei a arte em geral. Só que para a minha surpresa, o curso conseguiu me decepcionar muito mais do que eu estava programado a tal fim. Não só eu como outros colegas que entraram junto comigo tiveram essa mesma impressão, onde nem recebido direito pelos veteranos ou professores. Aí que entra o lance do DAs...

Coletivo Dalí e OGRITO

Quando chegamos, estávamos na gestão do "Coletivo Dalí": Um DA que só correspondia por e-mail, sendo que a única vez que os membros apareceram pessoalmente foi no dia que era para pegar nossos contatos. Interessante que eles só mandava Spans (copia e cola) e nunca respondia as nossas mensagens, além de que o local que era reservado para o DA e que pela lógica poderíamos encontrar os membros, só vivia fechado. Muitas reclamações posteriores como por exemplo: Quando teríamos o direitos de ter os armários, viagem para eventos de artes no Brasil entre outras reivindicações... fez com a cada dia ficássemos mais desapontado com esta representação. Então quase um ano depois, quando o pessoal da minha turma já estava se decidindo formar um grupo para uma nova gestão, outras pessoas foram mais rápido criando "OGRITO".

Não querendo competir, demos o maior apoio para este grupo (apesar que tinha muita gente que eu até hoje não vou com a cara). Ele estava empenhado em suprir todas as necessidades e aparentemente no início parecia que assuntos pedentes como os armários finalmente seriam resolvidos, além de ter um blog informativo (também era só copia e cola, mas já era alguma coisa). Entretanto com o passar do tempo, percebemos que era mais propaganda do que ação e também teve o mesmo problema de ausência e fora que ainda não resolveu o problema dos armários trancados, sem contar da incompetência em conseguir pela Federal um ônibus para os alunos poderem ir a Bienal de Artes de São Paulo. Vendo essas negativas, era hora de levantar as mangas e mudar a nossa realidade por nós mesmos.

A Ponte

E essa foi proposta deste DA, de que agora todos fazem parte do DA para assim juntos conseguir conquistar os direitos que sempre almejamos, onde desta vez os membros eram formados por boa parte dos meus amigos e com o espírito de querer realmente acontecer. Muitas foram as conquistas e finalmente depois de já 2 anos de curso, teríamos a oportunidade de usar os armários, tivemos mais espaço para arte no CAC e entre outros centros da UFPE além da viagem da Enearte para Salvador. Mesmo não sendo membro, contribui com a minha parte participando em pesquisa de campo, filmando vídeos e dando sugestões.

Tudo parecia umas mil maravilhas... mas com um tempo comecei perceber certas coisas que me incomodava...

Percebi que em certos membros apareceu uma política ufanista de dá a maior importancia a autopromoção e não porque apenas fez o que devia ter sido feito. Logo de cara achei errado, pois essa gestão não fez algo a mais e sim apenas a sua obrigação, coisa o que as outras não fizeram. Por isso nunca concordei com essa promoção exagerada, já que sempre achei que o objetivo maior era ajudar os nossos colegas de curso e não de ficar de propaganda. Pois bem, fui discuti o quanto é desnecessário essa postura, acabei sendo taxado de um indivíduo que só faz criticar e que não ajudou em NADA na formação desta gestão. Sinceramente na 1ª vez que ouvi isso, senti um pouco desapontado da pessoa que proferiu tais palavras... entretanto, quando eles conseguiram mais um ano de gestão e agora com mais membros (uns até de cabide), percebi que fiz bem em não ter participado como membro efetivo desde o início.

A certeza disso eu tive no último encontro de estudantes, onde nosso colegas de cênicas estavam sendo censurados ridicularmente e não tinha nenhum dos representantes do DA para apoia-los. Se não fosse eu registrar parte do que tinha ocorrido, talvez tudo ficaria por isso mesmo ou como a própria representante do DA disse quando soube: "Esse pessoal de Cênicas é tudo uns frescos, vem aqui só para gente passar vergonha" - quem sabe ela teria uma opinião contrária se ao invés de querer passear de trenzinho, tivesse ido para plenárias apoiar nossos colegas e ver o que realmente aconteceu.


E são coisas como essas que sou contra, pois não é porque a gestão atual a maioria são meus amigos que eu devo fechar os olhos e fingir que nada está acontecendo. É uma pena que muitos recebem as minhas críticas pelo lado pessoal, tendo alguns não querendo falar comigo mais... mas paciência! Ora, não faço média com os meus pais e pessoas próximas, quanto mais com meus amigos.

Pintando Pontes


Depois de 2 anos, o grupo teve uma outra alteração e desta vez até um pouco no nome, que agora se chama "Pintando Pontes". Não sei se vai continuar com a mesma política de contar vantagem no que é simples obrigação, mas de qualquer forma continuarei a minha postura de elogiar quando merecer ser elogiado e criticar quando realmente estiver errado. Afinal...

Perco o amigo, mas não a minha sinceridade.

Outros Trecos...