A LONGA CAMINHADA (Não Necessariamente Para o Oeste)

domingo, 31 de janeiro de 2010

Eu nunca serei Otaku!



Tem uma coisa que nunca serei... este treco chamado Otaku... horrível!! Na verdade isso aqui é a continuação da postagem Animações Japonesas que deixei coisas de fora e agora vou comentar... cruzes! Se bem que é preciso alguém com muita coragem para falar a verdade sobre este assunto... e este alguém, até que pareça outro melhor, sou eu!!

Usei esta imagem de Naruto nesta postagem por 2 motivos:

1° Eu detesto este desenho, não sei porque mas nunca fui com a cara dele. Por mais que o povo fale que é legal e tal... não adianta!! Não gosto.

2° Não tem desenho melhor para representar esta praga chamada "Otaku", que ironicamente na mesma época que ouvi falar desta animação, foi quando tive conhecimento melhor sobre este termo.

Otakus é uma designação que de uns 10 anos ou mais é dada para fãs e seguidores de animação japonesa. (ou como eles mesmos gostam de dizer: Anime)

Ela apareceu no momento que Cavaleiros do Zodíaco, animação japonesa que popularizou esta cultura no Brasil, já estava em baixa. Depois da semente plantada era possível colher os frutos, pois estes novos fãs estavam ansiosos em conhecer novas séries. O problema é que muitos destes novos fãs eram ignorantes no assunto e aceitavam com muita facilidade qualquer coisa que era dita pra eles e o termo "Otaku" foi uma dessas coisas. Lá no Japão, "Otaku" no seu significado mais amplo é um indivíduo que tem obsessão a determinado assunto que lhe agrada. E este termo não é muito bem visto por lá, pois é como sinônimo de palavrão. Só que não é por causa deste motivo que não me considero um.

Os meus são outros...

O que me deixa aborrecido são moleques que mal saiu das fraldas que se acha no direito de dizer o que é ou não certo, como se fossem dogmas que não podem ser quebrados. Exemplo disso é o que pode ser ou não anime.

Afinal de contas, aproveitando a deixa, o que será anime mesmo???

Bem... este termo veio derivado da palavra inglesa Animation, influência dos americanos no Japão pós-Segunda Guerra. Com a mistura da cultura invasora com a tradicional, criou-se uma nova formar de animar: O Anime que nós conhecemos. Só que lá no Japão, eles não ver essa diferença, pois para eles tudo que é desenho e é animado se chama anime. Por exemplo: Transformers, WALL-E, Aladdin... são animes. Mas no ocidente esta palavra ganhou um termo exclusivo para animações que vem do Japão.

E o problema começa aí: Muitos otakus, principalmente os fanáticos ( se como existissem otakus normais...) não admitem em hipótise alguma que uma pessoa faça um desenho como as mesmas características de um anime se este em questão não for japonês ou se o desenho não for produzido no Japão. Até entendo em parte, pois se para eles, o termo "anime" significa uma animação nipônica feita somente pelos japoneses, porém eu concordo também que se uma expressão fica sendo exclusiva para descrever uma forma de um estilo de desenhar, descrever ou contar, então qualquer um que passa a se inspirar, espelhar ou até mesmo copiar, pode-se dizer que também tem o mesmo significado. Exemplos? Avatar, 3 Espiãs, Turma da Mônica Jovem e por aí vai... mas vai falar isso para algum Otaku!?

Vai querer enfiar a espada sagrada dele no seu... é melhor deixar pra lá!

Outra palavra muito conhecida é Mangá. No Japão, como é comum de quase tudo que vem de lá, esta palavra tem um designação um pouco diferente em relação ao Brasil e outros países. Mangá significa "Histórias em Quadrinhos" em geral sem diferencia alguma. Tipo: Mônica, Capitão América, Drunna... ou seja, é tudo Mangá ou nosso conhecido Gibi. Mas vai dizer para algum Otaku que Mangá é Gibi pra ver se ele não fica sem cabeça...

Ou pior: Arranca a de quem falou "tamanha heresia".

Engraçado que o argumento deles para mostrar a diferencia de ambos é que Mangá se ler da direita para esquerda e Gibi é o contrário. Só que tem um detalhe: Tudo que é publicado em forma de livrinho lá no Japão também é feito desta maneira... ou seja, este argumento não convence, pois senão, os livros de lá não podem ser chamados por esse nome. Resumindo quanta infantilidade... (para não dizer outra coisa pior!)

Sabe, pensava que por terem sido muito descriminados pela sociedade e pelos fãs de quadrinhos tradicionais (leia-se: Made in USA), os fãs dos desenhos japoneses seriam bem diferentes. Mas não são... agem com o mesmo preconceito. E principalmente os tais "Otakus": Criaram-se grupos, tribos e uma modinha tosca que muito me parece com a mania de se falar e usar expressões em inglês nos anos 90. Os Otakus são tão chatos que alguns não admitem ver animes dublados, colocando um tremendo gosto ruim nas versões em português dos temas de aberturas... é muita babaquice para um grupo só.

Pronto... acho que tá bom, senão vou acabar escrevendo um livro, he, he, he... é por causa disso e de outras coisas que eu nunca serei otaku...

Sou muito melhor e mais original do que ser um simples rótulo barato.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Agenda 2010... em branco!?


O mês de Janeiro já está quase acabando e a minha agenda ainda continua em branco. Afinal, também acabei não cumprindo nada que prometi começar a fazer neste ano. Tudo parece está dando errado... de novo!? É triste...

Talvez o motivo disso acontecer seja porque não estou concentrando em mim e nos meus objetivos. Acho que está na hora de parar de ficar tendo esperança de o que, pelo jeito, nunca irá acontecer. É hora de amadurecer!

Lamentos do passado ou angustia do futuro não quero mais, pois um não volta mais e o outro ainda não existe. O importante é pensar somente no presente. Quem sabe a surpresa que terei no final deste ano? He, he, he...

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Penélope Nova... Baranga!?



Hoje de tarde de bobeira, resolvi dá uma zapeada nos canais, pois depois de meses de monopólio da Globo, finalmente a antena foi trocada e agora eu posso ver coisas mais interessantes, he, he, he... e numa dessas zapeadas, acabei indo para um canal besta a que 10 anos atrás, eu tava viciado: MTV. Talvez eu gostava disso porque este canal nos anos 90 só pegava em UHF ou em TV a cabo. E como tinha uma amiga que só vivia a falar dele, acabou tendo um certo interesse. Todavia, graças a Deus me livrei deste vício.

Também pudera... hoje tá muito chato, um monte de programa b$#@%&! Não tem nada que presta... e as poucas coisas que ainda tinha fixação era doida toda tatuada que responde pela acunda de Penélope Nova.

Poxa! Nunca minha mãe gostou dela, principalmente por causa de suas tatuagens, mas sempre gostei do seu jeito desbocado de ser. Sem contar que tinha um maior tesão por ela... acho que perdi a conta quantos mantras eu fiz meditando nela, he, he, he...

Só que quando a vi nesta tarde... COMO TÁ HORROSA!!!

Musculosa demais, parece até um homem... credo! Não sabia que fazía tanto tempo que não a via, pois alguns anos atrás, ela fez umas fotos sensuais para uma revista e já percebia que estava com a barriguinha sarada, não mostrando mais aqueles pneuzinhos... só que ainda dava tensão mesmo assim. Aproveitando, tudo bem que ela era gordinha, porém isso nunca foi um problema para mim. Além do mais com aqueles peitões deliciosos... e por falar neles, onde eles estão??? Tanta musculação na academia deixa muita mulher feia deste jeito. Com a Penélope atual, tenho que agora concordar com a minha mãe: Tremenda baranga!

Que saudade da Penélope da época desta foto...

domingo, 17 de janeiro de 2010

Usurpação de Símbolos: Deus



Este aqui é um assunto muito sério e delicado que talvez as pessoas não entendam direito a minha posição: Deus.

Sabe, toda vez que vejo uma pregação cristã, tanto evangélica quanto católica, eu fico abusado. Eles falam de Deus como se tivesse o único direito de falar, seria mais ou menos que se eles tivesse a "patente" e que todas as outras religiões que falassem de Deus, são todas falsas. Falam mal das religiões afros sem o menor pudor como elas fossem obras de Satanás, o anjo expulso do céu que também é conhecido pelo nome de Lúcifer.

Acho que se realmente o que os cristãos dizem fosse verdade sobre todas as outras religiões, que são criações do demônio, então o Capeta foi "demitido" por ser muito competente... e Deus estava com medo de perder seu posto pra tamanha originalidade, he, he, he...

E já que mencionei em patente, outros que além de achar que tem, acha-se no direito de fazer o que bem entender são os Judeus: Ô povinho metido a... #$@%&*! Acredita até hoje que são os escolhidos e que os outros povos são um bando de inúteis. Tem uma cultura boa, mas não perde um nariz empinado. Lembro certa vez no Festival da Cultura Judaica, evento que acontece todo ano no Recife, tinha uma vila para visitar a Sinagoga.

A fila tava grande, mas isso não era problema para mim, pois estava prestes a conhecer a sinagoga mais antigas das Américas (que fica no Recife Antigo) e a emoção tava grande. Só que para uma pessoa, que se dizia Judia, tava incomodada pela demora e soltou uma que os judeus tinha o direito de entrar na Sinagoga na frente dos outros. Meu Deus, tive um ataque de cólera com que ouvi, mas depois me acalmei e ignorei. Depois, perto de entrar, tive minha bolsa revistada como se fosse um terrorista!? E só olhavam bolsa dos homens, que discriminação!? Acreditam que não existam mulheres terroristas???

E até parece que eu ía perder tempo explodido aquilo.

Mas não são só as religiôes ocidentais que tem estas visões egoístas, pois os arábes também são assim, só que nem todos... apenas os fanáticos terroristas que morrem pensando que vão encontrar um montão de virgens no outro mundo... coitados! Em religiões orientais também tem essa visão de exclusividade, em que textos religiosos são só verdadeiros aqueles foram ditos no sucessão guru e discípulo e por aí vai.

Agora entendo porque existe tantos ateus ultimamente.

Isso tudo é um tremendo absurdo. Deus é universal, não ver diferencia em cor, classe e principalmente religião, independente de qual seja. Quer você crer "Ele" como um ser, uma força ou apenas a energia do universo.

Seria eu um inútil?


Hoje foi um exemplo perfeito daquele pensamento que diz: "quando planeja algo, não desmarque!"

De manhã neste dia chuvoso de Domingo eu iria para o Templo Budista. Todavia, por ter ficado até tarde vendo filme na madrugada, não deu para acorda cedo. Isso sem falar que tive a minha insônia chata de costume.

Então já viu, não é?

Tão inútil quanto um aristocrata do séc 18... 19... Ah!? Sei lá!!

Pois bem... Ligaram para minha casa dizendo que irão trazer as coisas que a minha tia deu para minha mãe, uns móveis usados, e precisava de pessoas para ajudar a colocar no caminhão que irá transportar. Quem iria fazer era meu irmão, mas como ele infelizmente teve que viajar para um acampamento, advinha pra quem pensaram como 2° opção? Pois é, pensaram logo em mim... Ô porcaria!! Mas eu disse logo que não vou, pois já tinha prometido que depois da morte da minha avó, não colocaria mais os pés naquela casa onde ela morou, pois não tem mais sentido para mim aquele lugar. Por causa disso fui chamado pela minha mãe, minha outra tia e quem sabe algumas pessoas mais de... Inútil!?

Engraçado, só porque eu disse "não" as pessoas já te rotulam disso ou aquilo... Como a gente não tivesse o direito de negar as vezes. Com minha mãe é sempre assim: posso fazer "n" coisas, mas se por acaso eu deixar de fazer apenas um favor que ela peça, já sou considerado pela própria de imprestável. Interessante como existe tipo de pessoas que se aborrece facilmente ao receber apenas UM "não" de vez em quando. Se por acaso fosse me irritar com todos os "nãos" que recebo da vida, principalmente de uma garota...

Já tinha tido um enfarte!!

Eu mesmo sinto injustiçado pelas pessoas por não respeitar o meu modo de pensar, que é diferente do demais. Não sou reconhecido pelas as minhas qualidades e o pior, só enxergam os meus defeitos, como se as outras pessoas não tivesse. Teve momentos no outro ano, como em muitos outros, que as pessoas zombavam de mim sem nenhum pudor e quando reclamava, não era levado a sério. Penso agora que não vale a pena perder tempo tentando mostrar para os outros que sou uma pessoa séria ou que tenho valor. Não adianta se estes mesmos indivíduos estão cegos. Ultimamente estou mais maduro para não se abater com as provocações que recebo diariamente, pois agora tenho confiança no meu modo de pensar e sei que isso é o que realmente vale.

A vida é assim mesmo, por mais a gente tentar agradar a todos, sempre tem aquele com o dedo podre acusando que você não presta. Isso antigamente me deixava muito irado, mas agora... Quem se importa!? O meu modo de pensar de hoje está sendo o melhor possível, pois não sou mais uma "Maria vai com as outras" como era quando criança e muito menos um "Odeia todo mundo" como fui da adolescência até pouco tempo. Estou como o Buda...

Seguindo o caminho do meio e isso está fazendo muito bem.

Talvez o pessoal lá da casa da minha falecida avó encontre alguém para ajudar para colocar as coisas no caminhão e também a raiva da minha mãe passe e ela nem se lembre mais deste episódio. Só acho que talvez, da mesma forma que o Templo Budista, não irei para o Templo Hare Krishna como tinha programado para ir a tarde. Terei que ficar para esperar a tralha que a minha tia deu para a minha mãe e tirar do caminhão... Ô droga!

Mas fazer o quê... É só ter paciência!

sábado, 16 de janeiro de 2010

Kung Fu Panda



Hoje finalmente comprei o DVD desta grande animação. E comprei bem baratinho, he, he, he... e duplo!! Ainda bem que consegui convencer a minha irmã de não comprar pirata na época que este filme tava passando nos cinemas.

Eu ri muito quando assisti pela 1ª vez. Até hoje não sei como não mijei na poltrona de tanto ri, he, he, he... foi tão bom que logo quando sai da sala, eu prometi para mim que compraria quando saísse em DVD. O filme conta a história de um atrapalhado urso panda que sonha em ser mestre na arte do Kung Fu, seu nome é Po.

Só que o gordão aí ao lado, ninguém leva fé nele, muito menos o próprio mestre ( este animal nanico que tá chutando o urso) que o treina acredita nessa possibilidade. Todavia somente um velho mestre (uma tartaruga meio senil) acha que Po é o escolhido para ser o guerreiro dragão. Ainda não assisti a versão do DVD, mas quando fizer, vou me diverti comendo muita pipoca, he, he, he...

Uma animação que recomendo a todos!!

Lá se foi 2 Playboys...



Pois é... hoje vi que 2 das minhas revistas foram detonadas pelos meus gatos. Ainda não sei qual deles foi o que fez o estrago, mas já eu imagino de quem seja.

Bem... não foi uma perda grande, pois só rasgou foi as capas e as 2 revistas não eram das minhas favoritas. Porém eram muito raras e uma delas estava em ótimo estado apesar de quase 10 anos de ter sido publicada. (quem sabe seja porque eu não costumava praticar muitos mantras com ela, hi, hi...) A outra é de 97 e ficou com a capa toda rasgada... nem sei se dá para recuperar mais.

As revistas estavam guardadas numa caixa que sempre deixo arrumadas, mas bastou tira-las para dá uma olhada, que estes bichanos inventaram de querer entrar nela, ô droga! Demorei para colocar-las de volta e sem querer acabei esquecendo destas duas dentro.

Hum... talvez isso seja um sinal de que está na hora de me livrar delas.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Usurpação de Símbolos: Suástica



Estava a passar ontem na sala da minha casa quando na tevê ouvi uma discussão do "Educacional" BBB (Big Brother Brasil) sobre suástica que um dos participantes tinha tatuado no braço. Este participante era um veterano, isto é, já tinha participado em uma edição anterior.

Uma das novatas estava criticando este participante por usar um "símbolo nazista" e ele tava explicando que a origem da suástica é bem mais antiga que isso. A demente nem quis ouvir a explicação do cara e começou a espalhar o assunto do jeito dela para os outros residentes da casa. Talvez com a única função de queimar-lo, enfim...

O velho e conhecido jogo desta porcaria.

Bem... aproveitei a deixa para discutir um velho assunto que me incomoda: Ursupação de Símbolos. Eu fico com muita raiva quando uns ignorantes deste tipo (como a mulher idiota do programa) não entende direito a origem de uma certa coisa e vai logo te rotulando num exemplo que ficou mais evidente em todo mundo. Ou até entende, mas acha que símbolo perdeu seu valor original e condena se alguém usar, mesmo que seja pela ideia original.

A Suástica ficou com sua imagem manchada porque Hitler, por ser muito ligado ao ocultismo e seu sonho de dominação, apoderou-se este símbolo para este fins. Mas este símbolo é muito mais antigo, muito mais antigo mesmo que o nazismo e se pode encontrar em várias culturas diferentes ao redor do mundo. Ele o símbolo religioso (e usado) em religiões como o budismo e o hinduísmo. Será que estes também estão a favor do nazismo? Por mais que um símbolo esteja manchado por uma grande tragédia...

Qualquer ser humano tem o direito de utilizar-lo em sua função original.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Efeito Borboleta



Este filme passou ontem de novo na televisão. E como gosto muito, fui ver: Nele conta a história de Evan, garoto que teve sua infância marcada por lapsos de memória acontecidos nos variados momentos de sua vida. Anos depois, já rapaz, ele percebe que os tais lapsos podem ser recuperados e revividos apenas ao ler seus cadernos de anotações que fez durante a sua infância.

Neste momento que a trama se apresenta e na tentativa de tentar entender o que estes tais lapsos significaram, Evan tenta a todo custo mudar-los, o que pode ocorrer uma mudança completa no seu destino e de todos aqueles que passaram por sua vida, principalmente o amor de sua vida.

Caramba... toda vez que vejo este filme fico um pouco tenso, pois da mesma forma do personagem principal, tenho coisas minhas passadas que gostaria de alterar-las... mas fico pensando se isso não poderia mudar a minha vida para um rumo bem pior. Talvez muito amigos que conheça nunca chegasse a conhecer. Mas essa mania de querer consertar os "erros" do passado não é fixação exclusiva minha.

Acho que quase todo ser humano chegou por um momento de querer ter esse poder de manipular o passado... e o filme, apesar de ser uma ficção, mostra o quanto isso pode ser desastroso. Na minha opinião, o único filme de Ashton Kutcher que realmente vale a pena ter em casa.

Qualquer dia eu compro o DVD para mim.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Verdadeiro Final de Dragon Ball


Hoje de manhã, estava vendo de novo pela televisão o último capítulo de Dragon Ball Z. Nele, Goku procura o ser que é a reencarnação do lado malígno de Boo, seu último adversário que foi morto por ele a 5 anos. Ao entrar no torneio de artes marciais, descobre que o Boo malvado se tornou Uub, um menino de um vilarejo pobre que entrou no torneio para ajudar a sua comunidade. Depois de uma breve apresentação e luta rápida, Goku convence Uub para ser seu discípulo e resolve levar-lo para morar no Templo de Kamisama e assim ter alguém de grandes poderes para continuar a lutar, terminando a história. 



Quem conhece muito bem este desenho sabe que ele é a continuação de Dragon Ball e que seu final é o íncio de outra série: Dragon Ball GT. Só que esta série no mangá sempre teve o um nome só: Dragon Ball. E não existe a fase "GT", ainda bem! Essa só foi criada em cima do sucesso da fase "Z" para ganhar dinheiro e por pouco afundava a marca. É por causa disso que ela durou muito pouco. O maior erro dela foi não ser produzida por Akira Toriyama, que já estava de saco cheio de trabalhar em Dragon Ball (10 anos numa mesma série não é brincadeira...) e na fase Boo isso fica bem perceptível. 

Sabe, acho que "GT" nunca devia ter sido criado, pois acabou com a possibilidade de Akira fazer uma continuação que preste... ou não! Pode ser que ele desconsidere este abacaxi... mas isso acho bem difícil! Eu mesmo não considero por ser muito ruim e é por isso que estou colocando esta postagem mostrando a minha posição. Bem... uma ótima série que merece ficar na memória.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Tá Chovendo Hambúrguer



Hoje fui ao centro da cidade para no Cinema do Parque assistir este desenho, mas acabei perdendo o ínicio porque cheguei atrasado. Talvez na próxima semana assista de novo, pois foi muito engraçado.

O desenho fala de um nerd que fica tentando acabar com a fome no mundo, mais precisamente da sua cidade. No final cria uma máquina que transforma água em comida. Achei a ideia muito interessante, pois independente de que comida seja, era produzida geneticamente igual através da modificação do DNA da água.

Ou seja, seria perfeito para mim, pois poderia comer alimento animal sem ter a consciência pesada que o bicho precisou morrer... e também seria um bom argumento para os fanáticos Vergans (gente chata que gosta de irritar tanto os que comem carne) para convencer ao resto do planeta de só comer alimento animal se for desta maneira. Talvez até acabasse a eterna guerra deles com os carnívoros e derivados.

O desenho bom não espetacular, mas que cativa e é um bom passatempo. Pelo menos para mim foi ótimo nesta tarde...

Recomendo para quem queira ri um pouquinho.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Animações Japonesas



Bem... uma coisa que já comentei por aqui, mas de forma indiretamente, é que gosto de animações. Não tem coisa melhor, vejo desenho animado desde de que era criança e provavelmente continuarei a assisti até chegar a 3° idade, he, he, he... tem um profundo interesses para animações de vários cantos do planeta, porém nunca falei da qual eu gosto mais: A animação japonesa.

Ser fã deste tipo de animação não é nenhuma novidade nos dias de hoje, todavia na época que comecei a gostar, era muito difícil. Existia muito preconceito, pois na época que era os anos 80 (sou velho mesmo, e daí?) os desenhos norte-americanos praticamente dominava a televisão brasileira. E ser fã deste tipo de desenho era taxado de mané ou esquisito, pois a maioria da sociedade não estava acostumada com as temáticas um pouco pesadas e visuais dos personagens bem diferente da realidade nossa.

Esta imagem era um desenho que eu assistia e também acho que é o meu Favorito: Zillion. Ele foi lançado em 87 no Japão e chegou aqui anos depois. Muito bom e recomendo para os mais novos. Por ter nascido nos em 81, eu me considero um dos grupos mais novos da velha geração. Animações japonesas, muitos antes de mim, sempre teve adeptos desta arte no Brasil. Nos anos 70 ainda era mais raro e se dava pra contar no dedo pessoas sem origem nipônicas que adoravam "os desenhos de olhos grandes". Existe relatos de pessoas mais velhas que adorava ver os desenhos que passavam na tevê. (não vou citar algum porque não sei de cabeça quais são...)

Mas voltando para a minha realidade, como já disse antes, ser fã de desenhos japoneses era vistos com maus olhos. O que eu ouvi de ofensas e gracinhas... a maioria das pessoas se identificavam mais com personagens como os Super Heróis americanos ou então os ditos infantis como Mickey. Eles cresceram com este tipo de influência e era como esses personagens fossem daqui também do Brasil. Bem... gostar ou não destes personagens gringos, não vem eu aqui julgar, mas a forma ditatorial que existia culturalmente era horrível. Tenho que admitir que até eu tive que ceder ou pelos menos não espalhar por aí que gostava dos desenhos japoneses, além de que as emissoras de televisão não arriscavam muito neste segmento.

Depois dos anos 70, 80... parecia que com tempo as animações japonesas tinham definitavelmente perdido terreno para já massificadas animações norte-americanas. Entretanto, em 1994, surge um desenho que mudaria o rumo para sempre do gosto dos brasileiros em sua boa parte: Cavaleiros do Zodíaco. Apesar deste desenho (conhecido no Japão por "Saint Seiya") ser um pouco datado, aqui ele fez um estrondoso sucesso e todos cantos só se falava dele e chegou a salvar por um bom tempo uma emissora decadente que hoje está sepultada. (em outra oportunidade falo melhor sobre este episódio)

Apareceram muitas revistas, grupos... e tudo ficou mais fácil de ser encontrado. Fico feliz que isso tenha acontecido... todavia nem sempre com as novidades, boas coisas aparecem.

Mas isso fica para comentar outra dia.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Ellen Rocche de volta na Tevê



Bem... inicio o ano falando de nada mais, nada menos que Ellen Rocche. Hoje a noite teremos mais uma participação da Deusa Suprema numa série da Globo. Ela está participando como um personagem fictício na série "Dalva e Herivelto", que é baseado em uma história real.

Realmente nunca ouvi falar deste grupo chamado Trio de Ouro e principalmente os 2 deles que é também o nome da série. Mas já sabendo que a Mulher Original participa, já merece o Oscar por esta participação.

Nem sei se vou ver, apesar desta agradável surpresa, porém quem sabe quando sair em DVD eu não veja? Ellen Rocche também fará uma participação divina na novela Tempos Modernos, que sinceramente nem tenho coragem pra ver, credo! Sei lá... ultimamente não tenho mais saco para televisão e muito menos para as novelas que estou meio que enjoado...

Acho que quando Ellen fizer uma como protagonista, eu vejo.

Outros Trecos...