A LONGA CAMINHADA (Não Necessariamente Para o Oeste)

sábado, 31 de dezembro de 2011

O Ano que Nem Começou...



Este ano acabou... mas para mim parece que nem começou, pois foi tão rápido que sinto como se tivesse em 2010. Talvez porque foi o ano que mais fiquei em casa, quase não saindo para nada e também por quase não ter visto os amigos, chegando alguns que nem cheguei a ver. Sinto-me estranho, de um jeito que não sabe para onde está indo e qual decisão tomar logo em seguida. É como se eu tivesse num longo sonho que não se sabe o que é verdade e o que é ilusão.

Sempre fui de refletir sobre a vida, até de forma exagerada... entretanto este ano se superou, deixando todos os meus outros assuntos importante para segundo plano. Não sei se fiz certo ou se será cobrado um longo preço por ter agido assim. Só sei que muitas coisas que eu tinha orgulho e evitava mencionar não me importa mais.

Uma coisa neste período posso dizer que foi positivo: O meu relacionamento com os meus pais. Começo a perceber que quando meu pai falava que ele é o único amigo que eu posso confiar, com certeza estava falando a verdade. Pois muitos amigos (os que considero) nem lembrou de mim e nem tinha tempo para ouvir as minhas tristezas... ser amigo quando tudo está bem é muito bom, não é mesmo?

Pelo menos essas circunstâncias foram ótimas para eu dá o devido valor que tem a minha família, já que sempre não dei muito crédito e agora sei o quanto ela é importante para uma formação sadia de um indivíduo, principalmente nos momentos difíceis... pena que meus irmãos ainda não abriram os olhos para isso da mesma forma que eu abrir. Quem sabe ainda dá tempo para isso, quem sabe...

Bem, agora em 2012 (se o mundo não acabar...) não vou criar metas e muito menos terei falsas esperanças das coisas ou pessoas. Só vou continuar a minha caminhada, mesmo que ainda não tenha encontrado motivo para tal. Acho que nunca encontrarei e mesmo se encontrasse, não faria menor diferença antes...

Nem hoje e muito menos no futuro.

Pancho



Hoje é o aniversário de um amigo da velha guarda. Ele acaba do seleto grupos dos trintões de 81 (na qual eu faço parte). Então resolvi criar essa postagem em sua homenagem.

Bem, conheço Felipe (seu nome verdadeiro) desde quando a gente era moleque e na época nem era tão amigo dele, era mais da prima dele, a Danielle, que através dela que conheci ele e seu irmão. Lembro que na época, existia uma rivalidade entre os prédios da Vila Brigadeiro Ivo Borges, onde cada bloco, os moradores o defendiam como fosse um país, he, he... e isso era mais vísivel no bloco onde Felipe morava.

Parece que foi ontem, quando meu irmão e eu fomos para o seu bloco como se fosse 2 bandeirantes explorando novas terras e tendo problemas com os nativos, he, he, he... demorou um pouco até que as pessoas começasse a nos aceitar. Mais tarde acabamos nos tornando grandes amigos, mesmo que os pais não gostasse tanto assim da ideia (em especial a mãe dele).

Grandes tardes de Sábados ficamos na sua casa jogando Mega, Super Nes, Sega CD e por último Neo Geo... ô tempo bom!!! Entretanto como ele um dia já falou: "o que passou foi bom, mas o que importa é o presente e o futuro". Confesso que no ínicio, quando ele disse essa frase numa conversa que tive pelo MSN, não entendi muito, pois para mim como pode esquecer de um tempo que foi tão bom... mas aí depois anos, percebi o que realmente ele queria dizer com aquelas palavras. E hoje faço delas as minhas.

Ele também desenha, faz tiras para internet de porquinho amarelo mal humorado que luta contra a conspiração do universo para ser feliz. Quem tiver interessse em conhecer, é só clicar no link abaixo:


Eu recomendo... acompanho sempre. Enfim... é isso, essa postagem é uma homenagem para um amigo de longa data e que, diferente de certas pessoas que conheci a pouco tempo, nunca deixou de ser e nem me abandonou. Amizades como a do Pancho são poucas, mas pelo menos são verdadeiras e é para vida toda.

PARABÉNS GRANDE AMIGO!!!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Ateu: O Modismo do Momento



Teve um tempo, mais precisamente nos anos 90, que tudo que é quanto só se falava de horóscopo, Nova Era, misticismo entre outras coisas... depois, no começo desse século, começou o BOOM das Igrejas evangélicas, onde tudo que é gente estava se convertendo ao protestantismo, para seguir os passos de Jesus. E hoje, vemos uma onda de ateus proliferando na Internet, principalmente em Vlogs.

Eu não tenho nada contra essas crenças, afinal cada um tem o direito de acreditar ou não no que quiser... mas o que incomoda a forma como cada uma aparece como se fosse a salvação da humanidade. E agora a bola da vez é o ateísmo.

Antes que alguém fale, eu sei que sempre existiu ateus na história... como da mesma forma existem cristãos, místicos entre outras doutrinas ou filosofias de vida. Só que quando se torna moda, isso fica mais evidente, pois cada uma tem a mesma ladainha, de que agora estamos com a verdade e que os outros estão numa profunda ignorância. Coloca-se a sua opinião acima das demais e ainda passa a imagem de "tolerantes"... e com os ateus não seria diferente, pois se tem uma coisa que eles não são é tolerantes. E fica evidente com os neoateus, que se assemelham com aqueles menininhos pequenos que nas brincadeiras de criança ninguém pudia pegar... mas eles poderiam pegar todo mundo, os chamados "café com leite".

Um exemplo: Eles costumam ridicularizarem os outros, fazendo brincadeiras de mal de gosto com as crenças alheias, entretanto se é questionado, diz que é liberdade de expressão e só está criticando as ideias. Será mesmo? Já vi cristão sendo chamado de burro, ser comparado a Hitler e que sua fé ser tão nociva quanto crack.

Agora vai dizer o contrário? No ano passado, um jornalista de um programa policialesco da tevê comentou um crime em que dizia quem só pode ter feito não deve ter Deus no coração. Pronto! Foi estopim para uma onda atéia se formar e querer processar o infeliz, principalmente quando este jornalista fez uma enquete, onde perguntava para os seus telespectadores se eles acreditava em Deus. Engraçado foi a forma como os ateus fizeram para combater o preconceito: Com mais preconceito!!! Criou-se uns cartazes de ônibus feitas pela ATEA (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) onde fazia comparações muito tedenciosas para o lados dos ateus, mostrando religiosos como ruins. Frases do tipo "Religião não define caráter" ou "Somos todos ateus com os Deuses dos outros" viraram bordões repetidos em exaustão pelos ateus modinhas... semelhantes aqueles falácias de que "se ateu é religião, descalço é uma marca de tênis ou careca seria tipo de cabelo".

Ou seja... é como sujo falando do mal lavado.

Na minha opinião sincera, sem dogmas e apenas como ser humano que vive nesse mundo tentando aprender sempre... é que nós todos estamos no mesmo barco: Não sabemos de onde vimos, quem somos e para onde vamos. Uns atribui a nossa existência a seres divinos, outros que viemos do mero acaso, mas no íntimo, no íntimo mesmo é que ninguém sabe ao certo, a não ser que um dia, cada um de nós iremos morrer. Talvez quando isso acontecer, só aí teremos respostas para esse dilema que o ser humano tanto questiona... ou então nem assim, pois é bem provável que nossa consciência desapareça primeiro.

Enfim, qual será a próxima moda?

domingo, 25 de dezembro de 2011

Baile do Menino Deus 2011



Bem... fui mais uma vez ao Baile do Menino Deus. Este ano foi a sexta vez consecutiva. Fui no mesmo dia (23) que fui em 2008, sei lá... talvez por causa da companhia que estava naquela vez. Só que desta vez (como na maioria) eu fui sozinho. É melhor assim, pois não precisa da boa vontade dos outros quando se quer ir para algum lugar.

Este ano teve algumas novidades, mas nada que possa dizer que vale a pena a quem já foi nos anos anteriores... para dizer a verdade, só vale pena ir novamente se você gosta muito da apresentação e não liga para o repeteco... porque se for para ver algum diferencial digno de nota, só está perdendo seu tempo.

Eu particularmente gosto muito deste espetáculo, mas ultimamente estou começando a ficar meio que enjoado... talvez este ano seja a última vez. Isso vai depender do meu humor no próximo ano. Entretanto, para quem ainda não foi, eu recomendo pois vale muito a pena. Aqui embaixo, uma das músicas que eu gosto muito: Romã, Romã.

FELIZ NATAL PARA TODOS!!!

Marconi Lira



Hoje está fazendo aniversário um cara que, apesar de ser muito grosso e chato pra caramba, gosto muito. Seu nome é Marconi Lira.

Marconi eu conheci na época que entrei no curso de Artes Plásticas da UFPE em 2007. Lembro bem o bocó perdido no meu do CAC (Centro Universitário), procurando onde era a sala do nosso curso. Como já tinha achado antes o local, comecei a procurar os alunos perdidos e ajudar a encontrar o caminho. Marconi foi um deles.

Bem prático e objetivo, ele tem uma forma de ver vida que a hoje admiro e estou seguindo. Entretanto, tem horas que suas brincadeiras são muito estúpidas e isso as vezes me irrita. Não é toa que teve certa vez, estava tão abusado... que criei um quadro em sua homenagem: Matando um certo Alfredo


Se não tivesse feito isso era capaz de ter esganado ele de verdade, he, he, he... mas enfim, tirando os (MUITOS) defeitos que ele tem, vejo em Marconi um amigo especial e fico feliz por tido a oportunidade de te-lo conhecido.

Parabéns ", , "!!! Parabéns pelo seu dia.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Dumbo



Fui com meu pai comprar um fone de ouvido novo. Depois de ter comprado 2 (um para mim e outro para ele), fomos ao Shopping Guararapes comprar um DVD que estava afim de comprar: Dumbo.

A 1ª vez que vi este desenho foi quando eu era ainda criança, o videocassete nem era tão popular e dificilmente alguém tinha visto um CD na vida. Era um tempo da proliferação de locadoras e os vídeos Disney era os dos mais populares. Eu me lembro que naquela época o meu pai só alugava de atacado: De 3 a 5 filmes, muito bom aquele tempo... tenho lembranças até hoje.

Bem... esta animação conta a história de um elefantinho que nasceu com uma caracteristica peculiar: Tem orelhas muito grandes. Zombado por todos e até de sua espécie, ele só encontra conforto no amor de sua mãe e na estranha amizade que tem com um rato. O que é sua tragédia, mais tarde torna-se o seu triunfo... principalmente quando Dumbo conhece um grupo de corvos cheios de ginga que o ajuda aflorar o seu talento até então escondido. É isso, o desenho mostra como a gente deve acredita em si, principalmente quando ninguém acredita, também mostra que amizades verdadeiras e o amor familiar pode nos ajudar a enfrentar essas barreiras que aparece na nossas vidas. Eu nem me lembrava como ele tem uma mensagem tão bonita... e muito menos que esta película foi de grande importância para os estúdios Disney.


Na época, o estúdio sofria uma grande crise por causa de 2 fracassos sucessivos na bilheteira e eles precisavam de uma animação que pudesse tirar a empresa do vermelho. Como teria um caixa bastante modesto comparado com as produções anteriores, teria que se valer de toda criatividade humana possível na ocasião. O curioso que para isso, o método foi voltar as origens, deixando de lado os estudos mais técnicos e fazendo uma animação mais simples do que as anteriores. A forma colocar isso em prática foi adaptar uma história de livro para crianças, em que Walt Disney tinha comprado os direitos. Para surpresa de todos, Dumbo foi um sucesso espantoso, ultrapassando todas as expectativas e criando um clássico de extrema importância. Hoje a quem diga ele foi o auge e o último desenho da era de ouro do grupo Disney. Ele com certeza é um dos meus favoritos.

Um desenho que recomendo a todos: De 0 a 70 anos!!!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Tiffany Towers



Já que a última peituda que falei era natural, nada mais justo falar agora de uma siliconada, que até pouco tempo pensava ser a única forma das mulheres terem seios deste tamanho. A escolhida foi Tiffany Towers. E por que escolhi ela? Simples! Ela é uma representante de peso de uma época muito divertida da minha vida: Bisbilhotar as revistas de mulheres peladas do meu irmão (e também porque hoje é o aniversário dela).

Nos anos 90, tanto a Playboy como Sexy era fraquinha em poses quanto em modelos, e pelo jeito, meu irmão com certeza não sastifazia com esse tipo de publicação. Ele ía muito para centro da cidade se preparar em cursinhos para os concursos públicos, principalmente os militares. Não sei se de fato chegou aprender alguma coisa, porém uma coisa que eu sei que ele aprendeu foi comprar revista de mulher pelada estrangeira nos sebos (eu também logo em seguida, como a revista de Cindy Fulsom).

Era uma época em que as revistas estrangeiras circulava com mais facilidade, afinal o Dólar valia menos que o Real e elas custavam bem barato em relação o que é hoje. Tinha muitas revistas que se vendia em bancas. De vez em quando pegava eu admirando aquelas mulheres boazudas nas capas de revistas. O meu irmão guardava na caixa de videogame que ficava na sua cama ou dentro de uma assombrosa caixa que acho que era de fogão. Toda vez que meu irmão saia sempre aproveitava para dá uma conferida... e numa dessas tinha Tiffany em algumas fotos de algum evento. Fiquei embasbacado por aquela garota loira de peitos monstros!? E olhando melhor na revista, vi que tinha muita propaganda de vídeos pornôs e ela estava no meio. A revista que meu irmão comprou não era necessariamente de peitudas, apesar de ter algumas com belos seios... mas graças a ela, pude anotar nomes para mais tarde, procurar na internet fotos dessas maravilhosas peitudas.

Ops! Contei uma história grande, mas quase não falei de Tiffany... pois bem, contarei agora: Ela trabalhou em muitas revistas e se aposentou no ano 2000. Mas de vez em quando ela aparece em vídeos por aí. Apesar de ser silicones, seus seios tem momentos de possui uma naturalidade que encanta qualquer um. Tanto isso é verdade que vendo seus vídeos, não tem como não ficar sem tesão. Porém para infelicidade dos amantes de peitos, ela retirou as próteses... porém o motivo foi justificado: Uma delas estourou!

Enfim, não é porque sou agora adepto de seios totalmente naturais que vou deixar de comentar essas que um dia foi meus sonhos mais deliciosos... ui!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Crepúsculo



Ontem passou na tevê um filme que ultimamente está tanto fazendo sucesso como criando ódio. Seu nome: Crepúsculo. Eu já tinha visto antes e gostaria de ver novamente para saber se o que achei do filme na época era de fato a minha opinião ou não. Bem... confesso que na época dos cinemas, vi o trailer na tevê e achei a história interessante, pois um vampiro que se apaixona pela sua vítima e é o "mocinho" da trama fez com quisesse assistir.

Entretanto quando vi não gostei, achei a história um pouco monótona e talvez as minhas expectativas foram grande demais. As únicas partes boas que eu possa citar seria as cenas das lutas, que arrisco que foram até melhores que as de Dragon Ball Evolution. E fim, não tenho mais o que dizer.

Seriam tão bom se as pessoas que não gostam tivesse um pensamento parecido com o meu... mas não, tem que mostrar seu ódio gratuito e desfazer das pessoas que gostam daquilo que elas detestam. Engraçado que muitos desses se consideram os "expects" de vampirismo e contestam a história, dizendo que o personagem de Edward não tinha nada de vampiro. Interessante a forma como eles falam, como se de fato existisse vampiros no mundo real. Ora, isso é apenas uma lenda... e se alguém quiser mudá-la ao seu bel-prazer, que mal há?

Encerro esta postagem dizendo que não gostei da história... mas não chego a dizer que é essa porcaria que alguns desocupados vivem falando. Se tem quem goste só mostra que a autora tem seu mérito, que cada um tem seu gosto e esse não é o meu... simples assim. Um conselho que dou para quem realmente gosta da série: Que não tenha vergonha de gostar só porque aparece um ou outro que fica perdendo tempo odiando.

Afinal, tudo que é popular sempre aparece os chatos para serem do contra, sempre...

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O Palhaço


Assisti junto com a minha mãe.

A gente quando chega nessa época, sempre tem aquela correria de comprar presentes, coisa e tal. Então, resolvi me precaver e no início do mês já comprar as coisas. Aproveitei e levei a minha mãe para vi comigo... Sabe como é, a matriarca sempre sabe o que é melhor para o seu filho. Entre uma compra e outra, pensei em arrastar a velha para assistir um filme... mas qual seria? Simples! Um filme nacional seria uma boa pedida.

Até poucos antes da sessão não sabia de nada da história, além de uma coisa ou outra. Fui mesmo por causa do Selton, pois todos os filmes que assisti com ele, não me arrependi. E mais uma vez essa tendência foi cumprida. É um filme muito bom e eu recomendo a todos para assistir.

Diferente do que se possa imaginar, este filme não trata necessariamente de uma comédia e talvez algumas pessoas podem acabar não gostando. Na verdade ele tá mais para mostrar os bastidores do circo, o que acontecem quando espetáculo acaba, o público vai embora e os integrantes circenses voltam para suas vidas normais.

A única coisa que não gostei é que a sessão estava muito escura. Só que aí eu não sei se a culpa é necessariamente do filme, pois acredito que seja o projetor da sala do cinema que a gente foi. Salas assim dá um sono...


Mas isso não impediu da gente assisti essa história ótima. Agradeço a Deus por este dia maravilhoso que passei junto com a minha mãe; a Selton Mello por dirigir, produzir e atuar nesse brilhante filme e também para mim mesmo, por conseguir arrastar a minha mãe para o cinema depois de... 30 anos (!?), já que a última vez que foi em um, eu estava (pasmen!) na sua barriga. Não é a toa, a velha tinha quebrar jejum comigo, he, he...

domingo, 11 de dezembro de 2011

O Gato de Botas



Fim de ano e eu não poderia deixar de assistir mais uma animaçãozinha. E quem me conhece, sabe como eu gosto de gatos... então aproveitei o lançamento de Gato de Botas onde 2 assuntos que eu adoro.

Com o fim de Shrek, a Dreamworks resolveu contar a origem de um de seus personagens mais famosos. E disso que se trata o filme: Conta a história do gato amarelo de sotaque espanhol. Apesar de não ser muito ligado ao personagem, tem motivos para gostar dele, por me lembrar o meu saudoso Baltazar. Engraçado que só percebi a semelhança bem depois.

A película conta como o Gato apareceu em um orfanato, como ganhou as suas famosas botas entre outras coisas. Como é de se esperar, ele não conta necessariamente a história do Gato dos contos infantis e sim a história da versão "Shrek" do Gato. E seguido essa mesma linha dos filmes do Ogro, vemos uma mescla de contos como por exemplo: João e o Pé de Feijão; A Gansa dos Ovos Dourados; Humpty Dumpty entre outros.

Qual é minha sobre a animação? Bem... ela não chegar ser uma coisa digna de surpreender, mas consegue divertir qualquer não esteja com muita expectativa. Quem conhece as animações de Shrek, não vão vai estranhar a aventura solo do Gato de Botas, que pelo jeito tem grandes possibilidades de ter continuação, mas acho que isso só vai depender do sucesso das bilheteiras. Vamos esperar para ver.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

10 Anos sem o Meu Avô



Pois é... nem parece, mas já faz 10 dez anos que avó materno, chamado Ailton Pierre de Souza, partiu desse mundo. Na época eu só tinha 20 aninhos e nem sabia nada vida (e que pelo jeito continuo não sabendo). Lembro que naquele momento eu estava sem rumo e por isso estava buscando as minhas raízes, pois tinha "me formado" no 2º grau e não sabia o que fazer com aquela relativa escolaridade.

Até meados do ano 2000, meu avô morava numa casa que o lugar hoje é a estação de Porta Larga. Ele teve que sair e processo de indenização foi desgastoso, felizmente tudo correu bem. Meu avô ficou morando agora perto da minha casa. Só assim, tive mais contato com aquele que, mesmos com os laços de sangue, era como um estranho para mim. Achei que teria como recuperar o tempo perdido, mas infelizmente um ano depois ele faleceu.

Antes não tinha aproximação, talvez por causa de certos mal resolvidos entre ele e minha avó ou porque não fui estimulado a ter esses sentimentos. Hoje me arrependo por dá muito atenção a coisas fúteis do que em assuntos que valem muito mais. De qualquer forma os raros momentos que passei com ele nos seu último ano de vida, valeu a pena.

Penso que por pensamentos egoístas de mim e dos outros membros da minha família, muitos momentos legais poderia ter sido vividos e não vivemos... e um deles era passar mais tempo com o meu avô.

sábado, 3 de dezembro de 2011

YOUNI



Aproveitando que hoje é o dia do deficiente físico, venho aqui divulgar uma rede social que é um pouco diferente das convencionais: Ela é voltada para o público deficiente, mas também para aqueles que, assim como eu, luta pelos direitos por essa classe tão esquecida pela sociedade.

Ela foi desenvolvida por amigos meus e ainda está em fase de teste. Por isso, caro leitor do blog, se por acaso você compartilha dos mesmos ideais, então participe e faça valer os direitos dessas pessoas que também são cidadãs brasileiras. Para participar, é só acessar link abaixo:


Ficarei feliz quem participar e desejo boa sorte aos idealizadores nessa empreitada.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Shingo Araki



Uma notícia muito triste eu acabei saber... que Shingo Akari de 72 acaba de falecer. Alguém pode perguntar: "Tá, e quem é esse cara?"

Aí eu respondo que ele é o responsável por 80% do sucesso de Saint Seiya (mais conhecido por essas bandas por Cavaleiros do Zodíaco).

Shingo começou a se interessar por desenho com 5 anos de idade e se formou na prefeitura de Aichi. Aos 18, começou os seus 1º trabalhos como desenhista na Machi Magazine. Posteriomente, uniu-se com a Mushi Production como animador e depois fundou o Studio Jaguar. Fez muitas adaptações de quadrinhos japoneses (mangá) para animações... e entre elas está Cavaleiros, que já conhecido do público brasileiros.

Ele foi character designer da série, onde alterou as armaduras (a principal mudança), cores de cabelos (que no mangá não tinha cabelos... digamos... coloridos), entre outras coisas. Quando assistir a série pela 1ª vez em 1994, nem na mente passava que as armaduras eram tão diferentes no mangá (para dizer a verdade, nem sabia que por tradição, uma animação japonesa geralmente tinha um quadrinho antes).

Quando tive 1º contato com o mangá, percebi o motivo delas tenha sido mudadas. Não desmerecendo o autor do mangá Masami Kurumada, mas Shingo colocou um toque na série que deixou ela mais bela, pelo menos para mim isso é óbvio. Junto com a direitora de animação Michi Himeno (que também era a sua esposa), conseguiram um trabalho tão belo que é reconhecido internacionalmente até hoje. Sem contar que muitos elementos criados no anime foram incorporados em outras mídias como próprio mangá em outras séries dos Cavaleiros.


Bem... é isso. Aqui foi apenas uma pequena homenagem de um fã que ele nunca soube de sua existência. Quem sabe se existir um outro mundo, ele esteja vendo essa postagem que criei com muito carinho e admiração. Valeu Shingo, obrigado pela sua versão de Cavaleiros. Vá em paz e torna-se uma estrela lembrada sempre por nós.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Uma prévia...



Fim de ano já batendo a porta e é hora de pensar nas coisas que se pode fazer ainda este ano. No meu caso acho que nada, mas quanto ao blog, penso seriamente mudar um pouco a minha postura e a importância que dou para certos assuntos. Talvez alguns são serão mencionados até este mês, outros ainda no outro ano, pelo menos apenas no início dele.

Não sei se já falei aqui, mas um dos motivos de ter feito um blog foi de escrever o que sinto e falar de coisas que passa na minha vida... tudo bem que no início eu só escrevia bobagem, porém vejo que existem postagens muito interessante que eu tenho que ter orgulho disso, independente se esse blog aqui é bem acessado ou não, isso é o de menos. O que vale que tive muito felicidade com esse treco.

Só que o tempo está passando e não posso dá a devida atenção para as minhas outras responsabilidades sem que isso afete um pouco o ritmo das minhas crônicas demoníacas, he, he... acredito que mais de 50% do que eu queria transmitir sobre mim nesse blog eu conseguir nesses quase 4 anos (caramba! Isso aqui já tem isso tudo!?) e acho que de agora em diante posso diminuir o ritmo por aqui.

Agradeço a todas as pessoas que tiveram saco de ler o que escrevo por aqui, os meus psicólogos (seguidores) que tentaram entender um pouco da cabeça de um projeto de tentar ser humano e a todos 45 amigos que fizeram a caridade de curtir a minha página no Facebook (e outros 5 que não são meus amigos também). Enfim... e para aqueles que não gostarem, tudo bem... de qualquer forma vou continuar escrevendo mesmo.

Outros Trecos...