A LONGA CAMINHADA (Não Necessariamente Para o Oeste)

domingo, 10 de outubro de 2010

Ausente outra vez...


Depois de um bom tempo dando atenção para esse meu blog, acho que está na hora de fazer outra parada como aquela que fiz em Março.

Então, só volto em Novembro!

sábado, 9 de outubro de 2010

Primer Amor


Um romance que infelizmente nunca vivi...

Hoje faz 10 anos da estreou no México a melhor novela de todos os tempos: Primer Amor. Isso foi em 2000. E como era de se esperar, não ía deixar esta data passar em branco. Bem, o que pouca gente já sabe é que esta novela é um remake de uma outra que passou em 1987, chamada Quinceañera (algo como debutante).

Em Primer Amor conta-se a história de Jeovana Luna e seu sonho de uma festa de quinze anos, sonho este que é igualmente compartilhado por sua mãe, a senhora Catarina Luna. Ela paparica tanto a sua filha com esta cerimônia que, em alguns momentos, parece sonhar mais com a festa debutantes do que a própria.

Além de Jeovana também tem a personagem Marina, uma rica mimada que é a sua grande amiga; Imanol Jáuregui (Rafael no Brasil), que é "meio-irmão" de Marina, Demian (Daniel) que é primo de Marina e obcecado por Jovana. Juntos com esses personagens e outros que não citei, temos ainda Léon: Um rapaz trabalhador que ajuda seu pai numa oficina e estuda mecânica a noite. Ele é o par romântico de Jeovana e que junto com Demian, forma o triângulo amoroso que dá toda a vida a trama.

Tive a façanha de assistir TODOS capítulos sem perder um único se quer de tão fã que eu fui (tá, teve vezes que pegava pela metade e outras que só via por ter gravado, já que estava ausente na ocasião). Lembro que toda vez que saia de casa, eu sempre fazia de tudo para voltar no horário, que era mais ou menos as 6 e meia da tarde. Lembro de certa vez correr feito um condenado para chegar a tempo, aquilo foi épico e talvez se fosse hoje não faria de novo.

Eu gosto muito desta novela porque eu vi num momento em que estava refletindo na vida o porquê nunca ter amado alguém, pois na minha adolescência vivendo uma vida reclusa em casa, só jogando videogames e vendo desenhos animados. Hoje penso que poderia ter feito mais coisas, vivido mais, já que a gente só é jovem uma vez. E foi na época que esta novela passou aqui no Brasil em 2003, que comecei com estas indagações.

Ai! Que saudade... Gostaria que passasse na tevê novamente.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Street Fighter 2 Victory



Hoje faz 15 anos que este maravilhoso desenho animado chegou em terras brasileiras. E isso foi em tempo recorde, pois só teve alguns meses de diferencia do seu lançamento no Japão, e que por sinal na época ainda passava por lá.

Naquele tempo eu estava na 7° série e cheguei a gravar nas antigas fitas VHS todo o desenho até o seu ínicio. Só não conseguir ter toda a série completa por causa de porcaria da filial do SBT daqui de Pernambuco: TV Jornal. Na semana do Carnaval, ela colocou o "interessante" Galo da Madrugada na hora que o desenho passava. Não vou me estender nesta festa inútil, já que fiz isso anteriormente. É melhor contar um pouco do desenho, o que de fato realmente importa.

Esta animação contava uma história alternativa do passado dos famosos lutadores do jogo de luta de maior sucesso até então: Street Fighter 2. Depois de um longo período separados, os amigos Ryu e Ken se reencontram a convite deste último. Para comemorar, eles já na noite de São Francisco para curtir. Chegando em um bar, os dois acabam se metendo em confusão com alguns militares que estavam no local. Depois de dar uma tremenda surra neles, aparece outro militar que aparenta ser bem diferente dos demais: Este milíco era Guile, outro personagem do jogo. Na primeira tentativa, Ryu leva um surra de Guile e no dia seguinte, tentando inutilmente se vingar do amigo, é a vez de Ken apanhar do mesmo.

Vendo que não são tão fortes quanto aparentavam ser, os 2 garotos resolvem viajar para conhecer lutadores tão fortes quanto o carrasco que os massacrou. E assim começa a jornada dos jovens Ryu e Ken ao redor do mundo na procura do guerreiro mais forte. No decorrer da trama, outros personagens (alguns do game e outros originais) era ingeridos no enredo até seu encerramento, tendo a batalha final com o grande chefe da Shadaloo.

Confesso que sempre preferir os personagens da SNK, empresa concorrente da época, por serem muito mais carismáticos. Todavia, em relação a este anime, eu tenho que aplaudir e de pé, já que fizeram uma elaboração dos personagens tão perfeita que penso até que alguns ficaram bem melhores do que no jogo. Chego até em dizer que era como seria os personagens de Street Fighter, se fosse criados pela empresa que já citei. Uma pena que a CAPCOM, produtora e dona da marca Street Fighter, não gostou de forma alguma das alterações que os desenhistas e roteiristas do anime fizeram e nem cogitaram em lançar em jogo uma versão do mesmo.

Um desenho saudoso para ficar na memória... bons tempos que não voltar!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Marina Silva



Hum... estamos em periodo de transição. Momento para escolher o mais novo governante do nosso país. E para isso, temos como opções possíveis 2 vertentes: PSDB e PT. Só que nesse momento entre o 1º e 2º turno, uma candidata que fez toda a diferença:

Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima.

Sua vida foi completa luta, duvida? Então veja esse breve histórico: Marina nasceu no estado Acre em 1958. Filha de um casal que teve 11 filhos dos quais só 8 permaneceu com vida. Viveu sua infância e sua adolescência numa palafita que ficava em um seringal. Aos 14 anos, teve que suportar o duro golpe da perda da sua mãe: Vítima de várias doenças adquiridas por causa da situação precária do local onde vivia. Um ano depois, a própria teve que ir para capital Rio Branco para se tratar. Lá se constatou que estava com Malária.

Depois de alguns anos, fixou-se definitivamente em Rio Branco, no qual recebeu os cuidados do Bispo Dom Moacyr Grechi. Matriculou-se no MOBRAL (sério o nome é esse mesmo!), projeto de alfabetização do governo militar fazendo alfabetizar-se com dezesseis anos e teve como 1º trabalho o de empregada doméstica. Sua juventude foi muito sofrida por doenças e contaminações, como já mencionada Malária, mercúrio e leishmaniose. Decidiu estudar o curso de História se formando 1984, ao 26 anos na Universidade Federal do Acre. Foi uma das percursoras do PT e lutou ao lado de Chico Mendes em defesa da amazônia e sua preservação. E por causa desta defesa, acabou se tornando seu ponto fraco dentro partido na atual filosofia. Ela era para ser a sucessora natural de Lula, mas o jogo de interesse dos integrantes do seu partido fez com seu nome fosse descartado e que se afastasse dele.

Bem, não foi desta vez, mas não há motivo para desanimar, afinal foram 20% do eleitorado brasileiro apostando numa terceira via, e eu fui um deles. Se por ventura ela tentar ser candidata novamente nas próximas eleições presidencial em 2014, ela já tem o meu voto.

Outros Trecos...