A LONGA CAMINHADA (Não Necessariamente Para o Oeste)

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Urd, minha Amidala


Dois dias atrás fez 10 anos que vi Star Wars Episódio 3 nos cinemas. O filme com o título "A Vingança dos Sith" mostra o fim da República e a ascensão do Império, além da esperada transformação de Anakin Skywalker em Darth Vader. Porém o motivo depois de tanto esse tempo falar desse filme é sobre um sentimento nele é abordado: o apego. E que ele teve para mim um significado muito importante dias depois, mais precisamente no dia 27 de Maio de 2005, 10 anos hoje... Já falo pra quem chegou aqui que este texto vai tá cheio de spoiler. Por isso, quem ainda não assistiu o filme, fecha a aba e assista ele primeiro. Que já viu, pode continuar.

Assim como Anakin, o apego me levou as mais profundezas dos sentimentos.

E por que isso!? Por que esse filme teve um significado pra mim principalmente no dia de hoje? Bem... Primeiro tenho que contar o porquê do sentimento "apego" é tão importante no filme e por tabela foi pra mim dias depois. Nos filmes anteriores, Anakin foi recrutado para ser um futuro Jedi. O problema é que ele foi pego muito tarde, entretanto o jedi e possível futuro mestre Qui-Gon Jinn via nele como o futuro "escolhido" que equilibraria a força, mesmo que pra isso fosse contra a ordem de seus superiores. Entretanto no decorrer da história, ele faleceu e a incumbência de treinar o pequeno garoto ficou ao seu discípulo Obi-Wan Kenobi. Contra a sua vontade ele acatou o último desejo do mestre moribundo e treinou o pequeno Anakin.

Desde cedo teve que lidar com a separação da mãe, pois os dois eram escravos e só ele foi liberto. Os Jedis não pode ter laços, pois eles precisam praticar o altruísmo... E sua ligação não fazia ele se transformar no um guardião completo, apesar da habilidade acima da média. Impulsivo, Anakin só fazia o que dava na telha, desobedecendo seu mestre muitas e muitas vezes.

E uma das desobediência foi se envolver emocionalmente com a rainha Padmé Amidala, que secretamente casaram, algo proibido para os jedis. No último filme em questão, por conselho jedi está proibindo de ganhar o título de mestre, Anakin se irrita e acha que o conselho está impedindo de crescer porque sabem que é o melhor, isso na visão dele. E isso numa época que sua agora esposa Amidala está grávida de gêmeos (que quem conhece a história sabe quem são).

E afinal de contas: e o porquê da comparação?

O apego pela Urd foi tanta que levou meu cabelo junto.

Bem, é que na época em que eu senti a angústia de Anakin de não poder salvar quem o ama nos cinemas, dias depois aconteceu aconteceu a mesma coisa comigo: Urd.

Como já contei antes, Urd era uma gatinha especial que encontrei numa pequena árvore pendurada miando.

Assim como Anakin eu fiquei todo desesperado tentado salvar-la sem sucesso. O apego foi tão grande que corte minhas grandes tranças (pela 1ª vez desde que comecei a deixar o cabelo crescer) e a enterrei junto com eles. Foi um espanto, minha mãe achou que tava pirando da batatinha, conversou com minha tia e falecida avó com medo... E com certa razão.

Fiquei me culpando e questionando o porquê de não ter conseguido salvar a sua vida. Lembro que na época eu estava fazendo o PREVUPE e quando voltava de ônibus na linha Barro/Macaxeira (Várzea) e olhava sempre para o céu e tentava conversar com ela, chorando e pedindo desculpas caso pudesse me ouvir de algum lugar.

O apego a gatinha era tão grande demorei muito tempo para me recuperar, foi coisa mais triste que acontece naquele ano... Um ano interessante, em que estudava num pré-vestibular nos fins de semana, trabalhava como voluntário aprendiz no Hospital das Clínicas da UFPE e fazia um bico mais ou menos oficial no GOVINDA, restaurante vegetariano Hare Krishna que existe no centro de Recife, perto da Esuda e a UNICAP. Foi um ano muito bom... Mas teve essa morte dessa gatinha que me marcou muito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hei! Cuidado com que você vai comentar...
Posso também vomitar na sua cara, infeliz!!!

Outros Trecos...